Manhã, domingo de verão, céu azul, sol quente e café da manhã com uma amiga, em local agradável, sob o ar condicionado.
Conversamos sobre as relações humanas, seus desafios, suas desventuras e aventuras.
Falamos sobre empoderamento feminino, seu foco de pesquisa, desenvolvimento de projetos e experiências no setor corporativo.
Compartilhamos histórias, cenas, percepções sobre a condição da mulher na sociedade brasileira contemporânea e sobre o lugar do homem nesse cenário.
Ouvir sobre as relações de poder, fragilidades e valorização versus desvalorização, mobilizou em mim a atitude de autopercepção.
Depois de algumas horas, ela me deixou em casa, nos despedimos e seguimos cada qual seu caminho.
No final da tarde, sai para caminhar.
Durante a caminhada a conversa da manhã voltou à minha mente.
A sensação de que todos, mulheres e homens, seres espirituais utilizando corpos físicos, para se expressarem no mundo, pois acredito que alma não tem gênero, querem ser respeitados.
Compartilhar respeito e cooperação é o Chamado.
Um Chamado envolto em memórias, crenças familiares, sociais e culturais.
Partindo da perspectiva da Meditação Raja Yoga, prática milenar de autoempoderamento, todos trazemos as energias femininas e masculinas em nós, lembremos, por exemplo, do símbolo Ying e Yang. Suas expressões acontecem no campo da vida física, através das relações intra e interpessoais.
Quando somamos os fatores externos, que nos cercam, aos fatores internos, que trazemos em nossa essência espiritual, temos resultados explosivos, apaziguadores, competitivos e cooperativos. A dualidade surge!

A dualidade é refletida em espelhos, formando gigantesco holograma de ações e reações!
Ao nos colocarmos em posição de testemunha imparcial, olhando para nós e para os outros, como expectadores, sem julgamento ou críticas, podemos sentir o desejo de integrar as potencias energéticas femininas e masculinas, interna e externamente.
A consciência de que ninguém é mais ou menos, dominador e dominado, algoz e vítima, superior e inferior pode nos tornar seres humanos integrados com nossa verdadeira essência.  Viver a potência de caminhar lado a lado, ombro a ombro, com base na verdade, respeito e cooperação é desafiador!
Então, todos os setores da sociedade humana poderão crescer baseados em dignidade humana sem distinção de gênero, raça, religião, time de futebol, supremacia de poder.
Construir bases sólidas para a autoeducação, educação de crianças, jovens e adultos é fundamental para quebrar paradigmas e caminhar em direção à um novo modelo de relacionamento humano.
Quem se atreve seguir o Chamado?

Anna Maria de Oliveira

Owner e Desenvolvedora de Projetos

Confluência Projetando Saberes.

 

Pin It on Pinterest

Share This